Síndico profissional ganha espaço

Flexibilidade de horário e possibilidade de complementação de renda atraem trabalhador.

A Complexidade na gestão de condomínios e a falta de candidatos à vaga de síndico tem aberto mercado para profissionais, especialmente nos últimos dois anos, segundo especialistas consultados pela Folha.

Eles podem ter experiência em qualquer área, mas devem contar com a especialização na estão de prédios.

Para ocupar o posto, é preciso ter conhecimento em engenharia, manutenção e legislação. Também é necessário ser imparcial, completa Rosely Schwartz, professora do curso de Administração de Condomínios da Escola Paulista de Direito - EPD, instituição que formou 250 profissionais da área em 2010.

Ao contrário dos síndicos tradicionais, esse trabalhador não precisa morar no condomínio que administra.

Ele tem horários flexíveis –em média, seis horas por semana –e conta com a possibilidade de gerenciar outros conjuntos, a exemplo do economista Renato Tichauer, 54.

Administrador de três condomínios, tem renda mensal de R$25 mil. “Não cobro menos de R$1.800 por torre”.

Às vezes é possível ter outro trabalho, como o administrador Marcelo Marques, 51. Desde 2008, ele divide sua rotina entre duas funções: é supervisor de vendas e síndico de dois condomínios.

Gerenciar as unidades complementa em R$4.000 a renda mensal. “É mais fácil do que ser síndico do prédio onde eu moro. Perdi amigos por cobrar contas atrasadas.”

Há quem acredite que um síndico profissional prejudique a gestão. “Ele não tem conhecimento de problemas rotineiros dos moradores”, argumenta Hubert Gebara, vice-presidente do Secovi-SP (Sindicato da Habilitação).

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Raio X da profissão


REQUISITOS

Ter experiência como síndico e conhecimentos de administração, manutenção e legislação.

PRINCIPAIS FUNÇÕES

Representar o condomínio civil e criminalmente, elaborar orçamentos e intermediar demandas dos condôminos.

REMUNERAÇÃO

Varia de R$1.500 a R$20 mil, de acordo com o perfil do condomínio e a experiência do profissional.

Fontes: Assosindicos e especialistas


Entidades oferecem cursos para aprimorar capacidade de gestão

Cursos que abordam administração, direito do trabalho, mediação de conflitos e inspeção técnica de condomínios são oferecidos por sindicatos e universidades a fim de estimular a profissionalização de síndicos.

A Assosindicos (Associação de síndicos), por exemplo, tem um programa que, desde 2009, formou 97 profissionais.

A síndica Marta Manteleone, 49, atribui aos dois cursos dos quais participou, de administração de condomínios e de síndico profissional, a ascensão na profissão. “É fundamental conhecer as leis que regem o condomínio” ressalta Manteleone.

Administradora de cinco residenciais de médio e alto padrões na capital paulista, ela diz já ter assumido condomínios com contas atrasadas. Ainda lida diariamente com moradores insatisfeitos. A atividade, que não é regulamentada, pode ser  exercida por qualquer profissional. “[Eles] prestam serviços como pessoa jurídica ou autônomos e não tem direito a férias ou outros benefícios”, explica Márcio Rachkorsky, presidente da Assosindicos.


CURSOS PARA SÍNDICOS

Escola Paulista de Direito

- Carga horária: 45 horas

- Valor: R$ 712,00

- Página do curso: www.epd.edu.br/cursos/extensao/administracao-de-condominios

 

Fonte: 
Folha de São Paulo, Domingo, 9 de janeiro de 2011